Você encara a Jeová como Pai?

Publicado: 20 de novembro de 2010 em Não categorizado

“SENHOR, ensina-nos a orar.” Em resposta a esse pedido de um discípulo, Jesus disse: “Sempre que orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome.’” (Luc. 11:1, 2) Jesus poderia ter se referido a Jeová usando títulos impressionantes, como “Todo-poderoso”, “Grandioso Instrutor”, “Criador”, “Antigo de Dias” e “Rei da eternidade”. (Gên. 49:25; Isa. 30:20; 40:28; Dan. 7:9; 1 Tim. 1:17) Mas Jesus escolheu o termo “Pai”. Por quê? Talvez porque ele deseja que nos aproximemos do mais alto Personagem do Universo, assim como uma humilde criança se aproxima de um pai amoroso.

Alguns, porém, acham difícil pensar em Deus como Pai. Uma cristã chamada Atsuko* admite: “Por anos depois do meu batismo, eu achava difícil me achegar a Jeová e orar a ele como Pai.” Mencionando uma razão dessa sua dificuldade, ela diz: “Não me lembro de nenhuma ocasião em que meu pai biológico tenha me demonstrado afeição.”

Nestes críticos últimos dias, a genuína “afeição natural” que se espera receber de um pai é muito rara. (2 Tim. 3:1, 3) Assim, não são poucas as pessoas que sentem o mesmo que Atsuko. Mas podemos nos animar, pois temos fortes razões para encarar a Jeová como Pai amoroso.

Jeová — provisor amoroso

Para encararmos a Jeová como Pai, é preciso conhecê-lo bem. “Ninguém conhece plenamente o Filho, exceto o Pai”, disse Jesus, acrescentando: “Tampouco há quem conheça plenamente o Pai, exceto o Filho e todo aquele a quem o Filho estiver disposto a revelá-lo.” (Mat. 11:27) Uma ótima maneira de conhecer a Jeová como Pai é refletir sobre o que Jesus revelou sobre o Deus verdadeiro. Assim sendo, o que Jesus tornou conhecido a respeito do Pai?

Um pai segurando a mão do filho

Reconhecendo a Jeová como Fonte de sua vida, Jesus disse: “Eu vivo por causa do Pai.” (João 6:57) Nós também devemos a nossa existência ao Pai. (Sal. 36:9; Atos 17:28) O que motivou Jeová a dar vida a outros? Não foi o amor? Em reconhecimento dessa dádiva, devemos certamente retribuir esse amor ao nosso Pai celestial.

A maior demonstração do amor de Deus pela humanidade foi a provisão do sacrifício de resgate de Jesus. Esse ato de amor possibilita a humanos pecaminosos terem uma estreita relação com Jeová por meio de seu amado Filho. (Rom. 5:12; 1 João 4:9, 10) E, visto que nosso Pai celestial sempre cumpre suas promessas, é certo que todos os que o amam e obedecem por fim terão “a liberdade gloriosa dos filhos de Deus”. — Rom. 8:21.

Além disso, nosso Pai celestial ‘faz o seu Sol levantar-se sobre nós’ diariamente. (Mat. 5:45) Com certeza não achamos necessário orar para que o Sol se levante todos os dias. Mas como precisamos e gostamos de seus agradáveis raios de calor! Ainda mais, nosso Pai é o Provisor sem igual, que sabe das nossas necessidades materiais antes de as pedirmos. Portanto, não seria bom tirar tempo para observar e refletir com apreço sobre como nosso Pai celestial cuida de sua criação? — Mat. 6:8, 26.

Nosso Pai — o “terno protetor”

A profecia de Isaías deu a seguinte garantia ao antigo povo de Deus: “As montanhas se deslocarão e os montes serão abalados, mas minha amizade nunca se afastará de vocês e meu pacto de paz não será abalado, diz Jeová, seu terno protetor.” (Isa. 54:10, The Bible in Living English [A Bíblia em Inglês Vivo]) Reforçando esse ponto, a oração de Jesus na última noite de sua vida terrestre mostra que Jeová é, sem dúvida, um “terno protetor”. Jesus orou a respeito de seus discípulos: “Eles estão no mundo e eu vou para ti. Santo Pai, vigia sobre eles por causa do teu próprio nome.” (João 17:11, 14) Jeová tem vigiado e protegido os seguidores de Jesus.

Um modo de Deus nos proteger contra as atuais maquinações de Satanás é prover oportuno alimento espiritual por meio do “escravo fiel e discreto”. (Mat. 24:45) Assimilar esse alimento fortalecedor é essencial para ‘nos revestir da armadura completa de Deus’. Considere, por exemplo, “o grande escudo da fé”, com o qual podemos “apagar todos os projéteis ardentes do iníquo”. (Efé. 6:11, 16) A nossa fé nos protege contra o dano espiritual e confirma a capacidade protetora de nosso Pai.

Podemos aprender mais sobre a ternura de nosso Pai celestial examinando o comportamento do Filho de Deus quando esteve na Terra. Note o relato em Marcos 10:13-16, onde Jesus disse aos seus discípulos: “Deixai vir a mim as criancinhas.” Quando esses pequeninos se juntaram ao seu redor, Jesus ternamente os abraçou e os abençoou. Quanta alegria devem ter sentido! E visto que Jesus disse: “Quem me tem visto, tem visto também o Pai”, sabemos que o Deus verdadeiro deseja que nos acheguemos a ele. — João 14:9.

Jeová Deus é a ilimitada Fonte de amor. É o inigualável Provisor e o incomparável Protetor, que deseja que nos acheguemos a ele. (Tia. 4:8) Portanto, Jeová é, sem sombra de dúvida, o melhor Pai que se possa imaginar!

Nossos muitos benefícios

Somos muito beneficiados por confiar em Jeová como amoroso e terno Pai celestial. (Pro. 3:5, 6) Jesus se beneficiou de confiar sem reservas em seu Pai. “Não estou sozinho”, disse ele a seus discípulos, “mas o Pai, que me enviou, está comigo”, acrescentou. (João 8:16) Jesus sempre contava com o apoio de Jeová. No seu batismo, por exemplo, seu Pai amorosamente confirmou seu amor por ele, declarando: “Este é meu Filho, o amado, a quem tenho aprovado.” (Mat. 3:15-17) E, instantes antes de morrer, Jesus clamou: “Pai, às tuas mãos confio o meu espírito.” (Luc. 23:46) A confiança de Jesus em seu Pai continuava firme como sempre.

Pode ser assim no nosso caso. Com Jeová do nosso lado, o que temos a temer? (Sal. 118:6) Atsuko, mencionada no início, costumava confiar na sua própria força ao enfrentar problemas. Mas daí ela estudou a vida e o ministério de Jesus, em especial a sua estreita relação com seu Pai celestial. O resultado? “Aprendi o que significa ter um Pai e confiar nele”, diz ela. E acrescentou: “Senti verdadeira paz e felicidade. De fato, não temos nada com que nos preocupar.”

Que outros benefícios recebemos de encarar a Jeová como Pai? Os filhos em geral amam os pais e desejam agradá-los. Por amor, o Filho de Deus ‘sempre fez as coisas que agradam ao seu Pai’. (João 8:29) O nosso amor pelo Pai celestial pode também nos motivar a agir com sabedoria e a ‘louvá-lo publicamente’. — Mat. 11:25; João 5:19.

Nosso Pai ‘agarra a nossa mão direita’

Nosso Pai celestial também proveu um “ajudador” — seu espírito santo. Ele “vos guiará a toda a verdade”, disse Jesus. (João 14:15-17; 16:12, 13) O espírito santo de Deus pode nos guiar a um entendimento melhor a respeito de nosso Pai. Pode nos ajudar a demolir “coisas fortemente entrincheiradas”, isto é, noções preconcebidas, ideias erradas, ou conceitos distorcidos, trazendo assim “todo pensamento ao cativeiro, para fazê-lo obediente ao Cristo”. (2 Cor. 10:4, 5) Portanto, oremos a Jeová pedindo esse prometido “ajudador”, confiantes de que “o Pai, no céu, dará espírito santo aos que lhe pedirem”. (Luc. 11:13) É apropriado também orar pela ajuda do espírito santo para nos achegar ainda mais a Jeová.

Uma criança se sente segura e confiante ao andar de mãos dadas com seu pai. Se você realmente encara a Jeová como Pai, pode confiar nestas palavras consoladoras: “Eu, Jeová, teu Deus, agarro a tua direita, Aquele que te diz: ‘Não tenhas medo. Eu mesmo te ajudarei.’” (Isa. 41:13) Você poderá ter o privilégio maravilhoso de ‘andar’ com Deus para sempre. (Miq. 6:8) Continue a fazer a vontade divina e sinta o amor, a alegria e a segurança resultantes de encarar a Jeová como Pai.


*  O nome foi mudado.

Publicado em A Sentinela  de 15 de fevereiro de 2010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s